POLPA MOLDADA

POLPA MOLDADA
Polpa Moldada

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Roupas tóxicas alteram hormônios e causam câncer - Zara, Levi's, CeA, Calvin Klein, Metersbonwe, Mango, Jack e Jones e Marks e Spencer



 http://polpatec.blogspot.com.br 






Produtos químicos tóxicos e cancerígenos em roupas - Após campanha exitosa do Greenpeace, a espanhola Zara, líder no mercado varejista da moda,  é a primeira a se comprometer em mudar

A popular C&A também está nessa! Ação envolve as 20 maiores griffes globais. E as menores??? Descaso geral com o consumidor (que veste a roupa) e a população que bebe a água contaminada!!!

Roupas tóxicas alteram a forma como os hormônios naturais atuam no corpo humano - Zara, Levi's, C&A, Calvin Klein, Metersbonwe, Mango, Jack&Jones, Marks&Spencer ... 


Há alguns meses comprei uma calça jeans em conhecida loja. Uau! Que beleza!  Após lavá-la, usei-a. O contato do tecido irrita sobremaneira, uma coceirinha miúda. Eu já sabia da alergia quanto a certos tipos de linha usados em confecções, mas, o tecido inteiro, desde a criação já ser tóxico, até aí ainda não tinha imaginado. Só porque não havia parado pra pensar, mesmo. 

Pois agora está tudo às claras: Greenpeace lançou, há pouco mais de dez dias, uma campanha para que a moda do mundo pare de usar produtos químicos tóxicos em suas confecções, que vão desde roupa íntima à calças, camisas, vestidos, tudo, enfim. Inicialmente, estão sendo "atacadas" as 20 principais marcas do mercado varejista da moda no planeta. As maiores concentrações - acima de 1000 partes por milhão - foram encontradas em itens de vestuário da Zara, Metersbonwe, Levi’s, C&A, Mango, Calvin Klein, Jack&Jones e Marks&Spencer. Pois é. Alteração hormonal, câncer, poluição da água. Consumidor refém!

E alguém ousa dizer que "eles não sabiam o que estavam fazendo"?

Onze dias após o lançamento exitoso da campanha, a Zara, marca espanhola top, se compromete em, até 2020, acabar com o uso de substância tóxicas em tecidos. É para comemorar, sim, mas, gente, dá para imaginar ATÉ AONDE ESTAMOS ENRASCADOS COM ESSE MARAVILHOSO MUNDO "NOVO"? O que vai restar de tudo isso que aí está até 2020, 2050, 2100? Talvez eu ainda possa "lhes contar" até 2020, talvez um pouco mais (rsrs), mas, URGE QUE FAÇAMOS CADA VEZ MAIS, DIVULGANDO E CONSCIENTIZANDO, pois as futuras gerações não terão mais tempo para exigir mudanças. SE NÃO FIZERMOS AGORA, ELES SERÃO APENAS CONSEQUÊNCIA!!!

QUANTA INSANIDADE! GANÂNCIA SEM LIMITES!

QUAL SERÁ A PRÓXIMA MARCA A ADERIR? 
QUEM IRÁ CONTROLAR O QUE VEM SENDO FEITO?
QUEM INVESTIGARÁ TODAS AS DEMAIS CONFECÇÕES? Sim, pois se até lixo hospitalar vem sendo aproveitado e REVENDIDO em feiras livres (como as denunciadas em Caruaru-PE, para a população simples desavisada), COMO IRÁ SE REVERTER UM QUADRO TÃO ABOMINÁVEL?

E há mais: Trabalho escravo no fabrico de roupas, envolvendo grandes marcas. Em SP, empresa paga multa por condições degradantes impingidas a trabalhadores bolivianos

Greenpeace encontra produtos químicos perigosos em roupas de 20 principais marcas de moda



O relatório investigativo do Greenpeace Internacional, “Os fios tóxicos - o grande remendo da indústria da moda”, publicado na última semana, alerta para a presença de produtos químicos perigosos em roupas de 20 principais marcas de moda do mundo. De acordo com o documento, que abrange testes de 141 itens de vestuário e faz parte da Campanha de Detox, as peças são contaminadas com produtos químicos que ao entrar em contato com água se fracionam e formam substâncias que alteram a forma como os hormônios naturais atuam no corpo humano. Foram encontrados ainda vestígios de substâncias químicas cancerígenas. Todas as marcas analisadas tiveram diversos itens contendo nonilfenóis (NPs), químicos que se quebram em outras substâncias e alteram a forma como os hormônios atuam no corpo. As maiores concentrações - acima de 1000 partes por milhão - foram encontradas em itens de vestuário da Zara, Metersbonwe, Levi’s, C&A, Mango, Calvin Klein, Jack&Jones e Marks&Spencer. Segundo Yifang Li, Campaigner Sênior de Tóxicos, do Greenpeace Asia, “as principais marcas de moda estão transformando todos em vítimas da moda, nos vendendo roupas que contêm produtos químicos perigosos que contribuem para a poluição tóxica da água em todo o mundo”, disse. 

Outros químicos identificados incluíam elevados níveis de ftalatos tóxicos em quatro dos produtos e os traços de uma amina cancerígena proveniente da utilização de alguns corantes azóicos, em dois produtos de Zara. A presença de outros tipos de produtos químicos industriais potencialmente perigosos foram encontrados em muitos dos itens testados. “Como a maior varejista de roupas do mundo, a Zara precisa assumir a liderança e tomar medidas urgentes, ambiciosas e transparentes para limpar e desintoxicar suas roupas e sua cadeia de fornecedores”, afirma Martin Hojsik, Coordenador da Campanha de Detox, do Greenpeace Internacional. 

Os itens testados foram fabricados principalmente no hemisfério sul, e incluíam calças jeans, calças, camisetas, vestidos e roupas íntimas. As peças foram projetadas para homens, mulheres e crianças e feitas a partir de fibras artificiais e naturais. Os produtos químicos perigosos estão incorporados nestes materiais ou são deixados como resíduos indesejados que restaram do processo de fabricação. 

O Greenpeace exige que as marcas de moda se comprometam a parar de poluir com produtos químicos até 2020. Algumas delas, como a H&M e a Marks&Spencer, já o fizeram e exigem que seus fornecedores divulguem todas as substâncias químicas que suas instalações fabris lançam no ambiente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário